Dúvidas? 11 3052-2529 | 0800 771 2529 Login

Blog Descomplicado

Como a Administração Pública de diferentes países está lidando com o coronavírus?

Redação Radar IBEGESP Inovação e Boas Práticas Matérias Todas 03/04/2020

Diferentes modelos de gestão produziram resultados distintos

ESTRATÉGIA CERTEIRA

As instruções da Organização Mundial da Saúde (OMS) e os dados científicos evidenciam que o isolamento social é a principal e melhor medida para conter o avanço do coronavírus. O motivo? O isolamento permite que menos casos ocorram em um curto período de tempo, evitando o colapso do sistema de saúde.

Longe de isto ser um achismo, os dados científicos conseguem evidenciar que países que adotaram o isolamento social tiveram um número consideravelmente menor de mortes e que poderão reaver eventuais perdas econômicas antes que países que colapsaram pela insistência em manter as atividades cotidianas. A Itália é um exemplo de país que enfrentou graves consequências por não adotar esta estratégia. A impressão de que a vida poderia ser levada normalmente e a adoção tardia das medidas de isolamento social, fez com que o país europeu registrasse um alarmante número de mortes.

Os principais locais que conseguiram salvar vidas e a própria economia com a estratégia de isolamento social são Taiwan, Hong Kong, Coréia do Sul, Alemanha e Singapura. Mas o que levou a Administração Pública destes países a conseguir enfrentar uma pandemia de tão grande magnitude?

SINGAPURA E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Para além da rápida adoção das instruções da Organização Mundial de Saúde, a principal arma de Singapura foi uma gestão da informação prática e eficiente. Quando um paciente era diagnosticado, os médicos do governo levavam apenas 2 horas para rastrear a fonte da contaminação. Para além disso, detalhes sobre onde os pacientes vivem, por onde andaram e com quem se relacionaram ajudaram a instruir possíveis contagiados e colocá-los no regime de quarentena. Estas informações eram publicizadas de modo que a própria população pudesse se informar sobre o nível de contágio e a possibilidade de exposição à doença.

Vê-se, no caso de Singapura, um foco na produção de dados confiáveis: os exames para testar o Covid-19 ocorrem de forma gratuita e em larga escala, de modo a ser possível compor uma real estatística da contaminação, seus pontos focais e seus grupos de risco.

ALEMANHA E FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE SAÚDE

A Alemanha evidencia que o fortalecimento do sistema de saúde é primordial no enfrentamento ao coronavírus. Apesar de ter adotado tardiamente as medidas de isolamento social, o país registra números de mortes consideravelmente menores que outros países europeus, tais quais Itália e Espanha. O motivo? Apesar de possuir um sistema público de saúde forte e consolidado, a Alemanha investiu ainda mais no crescimento dos leitos de U.T.I. desde que se deparou com a doença.

O investimento em uma saúde acessível e de qualidade para a população trouxe resultados gritantes: enquanto na Itália 10% dos infectados por coronavírus morreram, na Alemanha apenas 0,5% vieram a óbito, uma vez que respiradores e leitos de U.T.I. estavam disponíveis para os doentes.

GESTÃO PÚBLICA E SUPORTE SOCIAL

O que estes exemplos de países bem-sucedidos na contenção da pandemia conseguem evidenciar é que a forte atuação da Gestão Pública é fator essencial para a redução do número de contágio e de mortes. Neste sentido, é preciso levar em consideração que não é somente a área da saúde que tem que estar envolvida no enfrentamento da doença: Singapura só obteve o sucesso em suas medidas, pois contou com uma gestão administrativa eficiente. Ou seja: é preciso que gestores da área da comunicação, tecnologia, compras públicas e tantos outros setores ajam em unidade de modo a garantir práticas capazes de reduzir riscos e danos.

Para além disso, todos estes países – Alemanha, Singapura, Hong Kong, Taiwan e Coréia do Sul – conseguiram demonstrar a indispensabilidade do serviço público. Seus médicos, seus rastreadores de informação e suas equipes de contenção são governamentais. Neste sentido, é importante ter em mente que o atendimento e a realização de exames deve ser direcionado a todos, independentemente da condição social. A Espanha chegou, até mesmo, a utilizar recursos privados em favor do Estado para expandir seu poder de atendimento.

Com isto em vista, é essencial que os gestores públicos brasileiros tenham consciência de sua importância. O enfrentamento ao coronavírus virá, em especial, do trabalho público, seja este dos profissionais do Sistema Único de Saúde, dos trabalhadores da limpeza ou daqueles que se encontram em diversas funções administrativas.


Posts Relacionados