Dúvidas? 11 3052-2529 | 0800 771 2529 Login

Missão do Instituto Ayrton Senna é expandir educação integral

Confira a entrevista de Inês Miskalo, gerente executiva de educação do Instituto Ayrton Senna

O Instituto Ayrton Senna é uma Organização Sem Fins Lucrativos que surgiu em 1994 e implanta medidas educacionais focadas na educação integral. O Instituto produz experiências educativas que facilitam a capacitação de educadores e a implementação de políticas públicas. Neste sentido, a organização tem foco em medidas que sejam replicáveis em grande escala, sejam estas soluções educacionais, pesquisas ou métodos avaliativos.

Para realizar tal função, o Instituto Ayrton Senna atua em conjunto com Secretarias da Educação, já tendo atendido mais de 2.600 municípios e impactado cerca de 2 milhões e 600 mil alunos. Vale salientar que a Instituição possui parceria com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Net Forward. Para além disso, o Instituto recebeu a chancela para a Cátedra UNESCO de Educação e Desenvolvimento Humano da Organização das Nações Unidas.

O conceito de educação integral apresentado pelo Instituto Ayrton Senna alia ciência à educação. O termo remete ainda à ideia de corresponsabilidade, de modo a expressar que todos os atores sociais são importantes para que a desigualdade no acesso ao ensino seja erradicada.

Para conhecermos mais a fundo a forma de atuação da Organização, entrevistamos Inês Miskalo que atua como gerente executiva de Educação do Instituto. Segundo a profissional, a Educação deve ser analisada com a devida adequação histórica. Neste sentido, Inês salienta que um dos maiores desafios educacionais do século XXI se concentra em aproximar o universo virtual do educativo, evitando uma mera substituição que não leve em conta a necessária proximidade entre produção do conhecimento e educação. A gerente ainda defende a necessidade de se identificar as competências sócio-emocionais dos educandos e tratar com complexidade e interconexão a relação entre o mundo do trabalho e a vida pessoal. À luz disto, Inês reforça a importância de uma escola que se adapte a eventuais dificuldades dos diferentes tipos de alunos.

Quando questionada sobre o funcionamento do Instituto Ayrton Senna para a efetivação da educação integral, Inês Miskalo salienta que a Organização se baseia em um preceito educativo que fomenta o desenvolvimento humano e a expansão da cidadania. Neste sentido, a identificação de competências sócio-emocionais – tais quais autoestima e capacidade de auto-gestão – seria tão importante quanto a abordagem teórica dos conteúdos. A entrevistada menciona, em referência a isto, uma iniciativa inovadora do Instituto: os Diálogos Socioemocionais. A medida propõe um monitoramento socioemocional que respeite a singularidade e integralidade de cada aluno ou educador, de modo a gerar dados quantitativos e qualitativos para gestores e educadores através do preenchimento de uma ficha padrão que é aplicada em diversos cenários educativos.

Outro tema discutido com Inês Miskalo foi o da desigualdade que marca o acesso ao ensino no Brasil. Para ela, o combate a tal desigualdade deve levar em consideração que a educação não pode ser olhada isoladamente, uma vez que se trata de um bem coletivo. Do mesmo modo, a representante do Instituto Ayrton Senna salienta a necessidade de continuidade das políticas públicas e de uma escola que atenda as diferenças estruturais, atentando-se à questão da equidade e não de uma igualdade subjetiva. Para tal, seria necessário, na visão da entrevistada, uma educação que tenha gestão e acompanhamento. Para Inês Miskalo trata-se de entender, em suma, que:“A Educação é uma política de nação e não de um governo”. 

 

Inês Miskalo é Gerente Executiva de Educação no Instituto Ayrton Senna.

Sobre o Autor

Equipe Editorial