Dúvidas? 11 3052-2529 | 0800 771 2529 Login

Conteúdo Descomplicado

Você, gestor público, sabe dar um feedback?

Redação RadarGOV Recursos Humanos e Gestão de Pessoas Matérias Todas 06/11/2019

Saiba como lidar com esta situação e tirar proveito destes conselhos

Feedback é uma palavra que vem tomando cada vez mais espaço no ambiente profissional. Seu significado em português é bastante próximo da tradução literal: trata-se de dar ou receber um retorno sobre a conduta de um indivíduo em um determinado contexto. Mas por que isto é importante?


Quando recebemos um feedback, normalmente escutamos nossos pontos positivos e pontos de melhoria. Apesar da prática de escutar conselhos sempre ter existido, profissionais de Recursos Humanos atentam ao fato de que o feedback profissional ultrapassa uma simples troca de ideias: ele deve ser feito da maneira correta e respeitando algumas regras; não deve ser tratado como uma mera opinião.

Deste modo, muitas organizações investem em um feedback que seja controlado. Ou seja, não se trata dos retornos que ocorrem diariamente em conversas profissionais. São momentos específicos em que os colaboradores têm a oportunidade de ouvir e falar sobre suas condutas sabendo que isto vai ocorrer e se preparando para o momento.

Esta modalidade de feedback pode ocorrer de variadas maneiras. Organizações menores muitas vezes realizam sessões em grupo. Nestas ocasiões, todas as pessoas reunidas tem a chance de falar e ser escutadas. Este feedback coletivo tem como ponto positivo a possibilidade de maior transparência e união do grupo.

Outras instituições optam por feedbacks individuais. Ou seja: cada colaborador escuta individualmente o que tem a ser falado sobre sua conduta e fala, também individualmente, sobre a conduta do outro interlocutor. Na maioria das vezes, este feedback individual envolve uma hierarquia. Ou seja: trata-se de uma conversa entre um gestor e um colaborador. O ponto positivo desta modalidade individual de feedback é proporcionar abertura a temas que não seriam mencionados publicamente.

É possível notar que os exemplos dados focam em duas ações: falar e escutar. E esta talvez seja uma das regras mais importantes de um feedback profissional: ele não deve, de forma alguma, ser unilateral.

Diante desta complexidade, será que você sabe se comportar ao dar um feedback? Aprenda!

Dando um feedback

Muitas pessoas acham que é mais difícil ouvir um feedback do que receber um. Mas conversar com uma pessoa sobre a conduta dela é tão importante quanto escutar sobre a sua própria. Para além disso, dar um feedback exige equilíbrio emocional, senso de justiça e possibilidade de abertura.

Neste sentido, é importante ter em mente que um feedback profissional tem que dizer respeito ao ambiente de trabalho. De nada adianta conversar com uma pessoa falando sobre características pessoais que não interferem no serviço prestado ou na convivência no ambiente profissional. Por isso, ao fazer críticas e elogios, tome cuidado para respeitar a individualidade do seu interlocutor.

Como já falado, também é preciso ter em mente que um feedback não deve, de maneira alguma, ser unilateral. Falar sobre a conduta de uma pessoa requer, necessariamente, estar aberto a ouvir sobre a sua própria

Muitas pessoas que temem receber um feedback associam a prática somente com críticas. Por isso que ao dar um feedback é importante falar tanto do lado positivo quanto negativo da conduta de alguém. De modo geral, isto deve ser feito levando em conta que o que está sendo dito é uma impressão sobre a pessoa, e não um fato: dar um feedback como se sua opinião fosse a verdade absoluta é um grande erro.

Outro erro muito comum é deixar de dar um feedback por receio de magoar o seu interlocutor. Nestes casos, é preciso ter em mente duas coisas:


Por fim, uma das regras mais importantes ao se dar um feedback, é saber utilizar uma comunicação assertiva e educada. Mesmo que haja conflitos na relação com aquela pessoa, lembre-se sempre que você tem o dever de dar um feedback da mesma maneira que gostaria de recebe-lo.

Agora que você já sabe dar um feedback, leve essa prática para seu órgão de atuação!